B L O G

Dicas, conteúdos, informações e materiais grátis sobre Gestão de Transportes, Frotas e Armazéns.

Sulcos dos pneus: profundidade mínima e como medir

A profundidade mínima dos sulcos dos pneus é um fator muito importante na gestão de pneus de uma frota.

Para cada um dos componentes de um caminhão, existem especificações, normas e recomendações do fabricante para uma boa utilização.

Os pneus representam o segundo maior custo de uma frota, ficando atrás somente dos gastos com combustível.

Por isso a gestão de pneus é muito importante para reduzir os custos da frota e evitar prejuízos.

Para cada um dos elementos de um caminhão, existem algumas especificações, normas e recomendações do fabricante e um fator muito importante é a profundidade mínima dos sulcos dos pneus.

Sulcos dos Pneus

Os sulcos dos pneus são pequenos canais esculpidos na banda de rodagem, a parte da borracha do pneu que fica em contato com o chão.

Os sulcos servem como um canal para a água da chuva escorrer, onde é expelida por baixo do pneu, proporcionando aderência entre a borracha e o asfalto, dando estabilidade e segurança para o veículo.

Com o tempo e uso dos pneus, seu desgaste faz com que a borracha e o sulcos vão perdendo espessura, o que dificulta o escoamento da água.

Assim, o risco de aquaplanagem aumenta - quando o veículo derrapa pelo asfalto sem controle.

 água passando pelos sulcos dos pneus de um caminhão

Profundidade mínima dos sulcos dos pneus

Conforme a legislação brasileira, os sulcos dos pneus precisam ter no mínimo 1,6mm de profundidade, para quaisquer tipos de pneus.

• Como fazer a medição dos sulcos dos pneus

Para saber quando é necessário trocar o pneu, basta verificar dentro da banda de rodagem o indicador de desgaste TWI (sigla em inglês para Tread Wear Indicator).

Quando a altura dos sulcos atingir as letras TWI, o pneu deve ser encaminhado para recapagem ou descarte.

indicador de desgaste do pneu (medição dos sulcos dos pneus)

Dica do palito de fósforo: em alguns pneus não há esse indicador. Nesses casos, a profundidade pode ser medida por um palito de fósforo.

Basta deitar o palito sobre um dos sulcos, se a cabeça do palito não estiver completamente coberta é hora de fazer a troca.

Lembrando que o pneu é um dos elementos fundamentais num veículo, ainda mais se tratando de transporte rodoviário em caminhões.

Com isso em mente, sempre certifique-se de esteja comprando um pneu de qualidade e que garanta segurança e desempenho tanto para o veículo quanto para o motorista.



Descarte de Pneus

Quando todas as recapagens atingiram o limite recomendado pelo fabricante e na última bandagem o pneu se encontra “careca” e não está mais seguro para uso, o que fazer?

O pneu descartado na natureza leva um tempo médio de 600 anos para se decompor, sem contar que pode trazer problemas de saúde, como foco para o mosquito da dengue e de outras doenças.

Se for queimado, o prejuízo é muito sério também, pois libera uma fumaça com vários poluentes tóxicos, como carbono e enxofre, que poluem o ar da atmosfera.

Existem várias formas de descartar um pneu usado. Uma delas é devolver ao seu fabricante para que ele possa reaproveitar a borracha.

Mais recentemente, surgiram estudos para utilização dos pneus inservíveis como componentes para a fabricação de manta asfáltica e asfalto-borracha, processo que tem sido acompanhado e aprovado pela indústria de pneumáticos.

Além da opção de devolver ao fabricante, você pode descartar em um posto de coleta, que tomará as providências adequadas para o pneu.

Veja a legislação que dispões sobre a prevenção à degradação ambiental causada por pneus destinados de forma inadequada.

Gestão de Pneus

Tão importante quanto medir regularmente os sulcos dos pneus, é primordial manter o registro dessas informações.

Uma vez que tenha esses dados, é possível ter uma previsibilidade em relação ao desgaste do pneu.

Ou seja, medindo o desgaste em relação aos quilômetros rodados desde a última medição, pode-se traçar uma projeção de desgaste futuro dos pneus.

Dessa maneira, é possível programar a parada dos veículos para rodízios e recapagens.

Vantagens da Gestão de Pneus

• Otimização do tempo da transportadora

Com a programação de rodízios e recapagens, a transportadora não tem problemas relacionados a pneus carecas antes do tempo, evitando paradas não programadas e retiradas de pneus para manutenção antes do previsto.

• Otimização dos recursos financeiros

Com as programações de paradas, sabe-se exatamente quanto de capital a transportadora terá de disponibilizar para a correta manutenção dos pneus, sem surpresas com pneus durante as viagens.

A maneira mais eficiente e garantida de registrar e realizar essas manutenções, são a partir de sistemas.

Além de proporcionar facilidade para utilizar essas informações, fornecem relatórios e avisos relacionados à manutenção dos pneus, com cruzamento de dados importantes, por exemplo, em que eixo está o pneu, quantos km rodou naquela posição, marca, modelos, e custos por km rodado.

Reforçamos a importância de possuir um sistema de gestão de frota, onde é possível controlar individualmente todos os veículos da frota.

Exemplo de tela de um sistema de gestão de frota:

sistema para gestão de pneus

Conheça também o nosso sistema de gestão de frotas, FrotaFácil.


Leia também:

Noções básicas da gestão de Pneus
Gestão de Pneus: Escolha, uso e manutenção
Gestão de manutenção preventiva de frotas


gestao-de-frota-com-resultados

gestao-de-pneus